Minha Sacola

0 itens

Você não tem nenhum item no carrinho ainda.

Blog Conquista Montanhismo

  • Matriz Leta - Previna os riscos de Altura

    Matriz Leta

    Está a ideia central da Matriz LETA*:

    Pensando em diagnose (mapeamento) para trabalhos em altura – está sendo desenvolvida uma ferramenta específica para quantificar o risco de queda com diferença de nível.
    Dentre as buscas para a Matriz LETA estão: garantir de que o registro estabelecido está sendo cumprido, saber o nível de exposição hoje, para se construir e buscar uma meta futura de melhoria. Estas são uma constante para o trabalho em altura, o eSocial busca por melhoria continua. Com a Matriz LETA, começa um registro que pode orientar ações futuras e porque não, justificar abatimento em recolhimentos compulsórios.
    * LETA é a sigla para: local que evita o trabalho em altura. Para NR-35 e para a Matriz a meta sempre será esta – descaracterizar totalmente a exposição ao risco de queda com diferença de nível.
    Registro do risco:
    O risco existe, é preciso fazer um registro consciente deste. Em uma avaliação de riscos apenas dizer que o trabalho engloba atividade em altura é muito genérico, existem trabalhos em altura com risco menor ou maior.
    Registro e mensuração – estes os aspectos que a Matriz LETA busca amparar com especificidade para o trabalho em altura, isto vai poder justificar o tratamento do risco na busca de diminuição deste. A Matriz LETA pode somar a ferramentas e matrizes de análise de risco (AR) consagradas já utilizadas pelas empresas.
    O risco representado por minha (nossa) percepção – tem sua base em:
    • Conhecimento / simbologia;
    • Prática / vivência;
    • Valores / interesses.

    Como utilizar a Matriz LETA:
    • Temos como garantir um LETA?
    • Listamos todas as atividades em altura que realizamos?
    • Conhecemos cenários e frequência de atuação nestes?
    • Nós conhecemos as condições impeditivas? Estas condições impeditivas representam nossa realidade?
    • Conhecemos bem - tecnicamente, as pessoas envolvidas a cultura organizacional que estamos inseridos?
    • Garantimos a implementação da AR e temos processo de acompanhamento e melhoria desta?
    O mapeamento/diagnose do trabalho em altura da empresa será a informação para calcular a Matriz LETA. Esta diagnose geralmente traz também uma identificação do risco que poderá ser comparada com o resultado da Matriz LETA. Nesta diagnose devem ser contempladas por exemplo:
    • Quantas pessoas estão capacitadas na NR-35,
    • Quais são as diferentes atividades,
    • Quanto tempo é utilizado em cada atividade,
    • quais os equipamentos utilizados,
    • quais as soluções de sistemas de ancoragem adotadas,
    • dentre outras.
    A forma de registro e levantamento de dados para carregamento da Matriz não depende de regra única.
    Uma vez com este registro – pode se separar por trabalhador ou por atividade para quantificar resultados independentes e ou macro da atividade na empresa perante a Matriz LETA. Quanto menor o resultado numérico menor o risco.

    Leta

    * Linhas de vida vertical – estes sistemas na sua maioria aprovam utilização em FQ 2. Para tempo de acesso este deve ser o nivel utilizado. Caso utilize a linha de vida com sistema de retenção de queda e venha a otimizar o FQ durante a execução de um serviço devo considerar este tempo com o FQ menor identificado na realidade de trabalho.
    ** PTA – por envolver o cinto se torna um SPIQ. A queda pode ocorrer e preciso estar preparado para a retenção – ancoragem e impacto pessoa/sistema. A Matriz LETA opta por enquadrar a PTA no mesmo nivel de um FQ 1, mesmo sabendo que pode ocorrer um FQ maior.

    Descrição dos vetores do quadro da Matriz LETA:
    • Vertical – divisão em 7 tipos de SPQ relacionados gradualmente levando em conta suas características, consequências e nível do risco;
    • Horizontal – tempo de exposição envolvendo frequência e variação de probabilidade.

    descensorQUEDA DE ALTURA: ter um resultado baixo na Matriz LETA que não seja 0 (zero) é crítico por envolver trabalho em altura. Uma queda por menor que seja pode matar e ter um trabalho de menor risco não pode significar o retirar a atenção deste. Pelo contrário, o trabalho de maior risco mantém a atenção sempre em alta, o trabalho de menor risco gera uma falsa sensação de segurança que deve ser observada. Lembre queda de altura mata – não é porque o risco é menor que minha atenção deve ser menor.

     

    Vamos a alguns exemplos:

    Distribuição urbana de redes de telecomunicação:
    Trabalhador fica 6 horas por dia exposto ao risco de queda com diferença de nível – pelo procedimento da empresa, foi otimizado o risco de queda. Subidas e descidas somadas ao trabalho em FQ próximo a 2 tomam metade do tempo de exposição – a outra metade fica com um FQ 0 mais controlado.
    O resultado individual é o mesmo do que para o grupo de 100 pessoas, uma vez que a atividade é similar. Diminuir o tempo de exposição ou encontrar alternativas de menor risco pode ser possibilidade – por exemplo utilização de PTA.
    Matriz LETA
    FQ 2 x 3 horas (Matriz LETA 10).
    FQ 0 x 3 horas (Matriz LETA 6).
    Como o tempo é o mesmo para ambos podemos somar e dividir por 2 ou seja para a atividade Matriz LETA = 8.

    Cobrindo a rotina de 100 trabalhadores teremos uma Matriz LETA de 800 para a empresa.
    Se conseguirmos aumentar a produtividade com uma técnica de mesmo risco podemos diminuir o número de trabalhadores – por exemplo em 15% - ai teremos para a empresa uma Matriz LETA de 680.

    Manutenção de telhado:
    Trabalhador fica exposto 7 horas por dia, sendo 2 em acesso FQ 2 e as outras 5 com trabalho de restrição de movimentação com um SPIQ.
    Matriz LETA
    FQ 2 x 2 horas (Matriz LETA 10).
    FQ 0 x 5 horas (Matriz LETA 3).
    Como o tempo diferente o cálculo precisa ser proporcional (apenas matemático) o fator LETA 10 terá peso 2 e o fator LETA 3 terá peso 5. (2x10) + (5x3) / 7 fornecendo uma Matriz LETA = 5.
    Possibilidades para diminuir o risco – instalar escadas de acesso com corrimão, linhas de vida permanentes (restrição) no telhado. Alterar a restrição no telhado de SPIC para SPIQ dentre outras.

    Inspeção em conduto forçado de hidroelétrica:
    Trabalho realizado por montagem de andaime:
    30 trabalhadores x 8 horas dia x 14 dias = 3360 total de horas de exposição ao risco.
    Matriz LETA montagem de andaimes com técnica para garantir máximo de FQ – 1. (Matriz LETA 10).
    30 trabalhadores x 14 dias x 10
    Matriz LETA = 4200
    Outra opção é fazer a inspeção através da técnica de acesso por corda (sem andaimes) o que apresenta uma diminuição no tempo de exposição HH (horas homem), muito significativa.

    Trabalho realizado com acesso por cordas:
    5 trabalhadores x 8 horas dia x 2 dias = 80 total de horas de exposição ao risco.
    Matriz LETA técnica de acesso por corda FQ – 2. (Matriz LETA 10).
    5 trabalhadores x 2 dias x 10
    Matriz LETA = 100

    Marcos Amazonas
    Conclusões:
    Como visto a Matriz LETA não tem um formato único de utilização – o importante é gerar registros de como se chegou até o resultado para futuramente comparar este a novas realidades ou ao resultado de outras empresas.
    Utilize a Matriz LETA com responsabilidade – duvidas e críticas podem ser remetidas para: amazonas1973@gmail.com.br

     

     

     

    Siglas utilizadas:

    LETA – local que evita o trabalho em altura.
    SPQ – sistema de proteção contra queda. Ver abaixo que se divide em individual e coletivo.
    SPCQ – Sistema de Proteção Coletiva contra Queda. Pode ser de restrição de movimentação ou retenção de queda.
    SPIQ - Sistema de Proteção Individual contra Queda. Pode ser de restrição de movimentação ou retenção de queda.
    PTA – plataforma de trabalho aéreo
    FQ – fator de queda
    AR – análise de risco
    PT – permissão de trabalho;
    PO – procedimento operacional
    A Matriz LETA foi criada para gerar prevenção do trabalho em altura – conhecer mais para saber como proteger. A ideia do nome LETA vem do Guia de conscientização de trabalhos em altura da Animaseg. A intenção é dar simbologia e força a meta maior da NR-35 que é EVITAR o trabalho em altura – a Matriz LETA quer trazer um parâmetro claro para acompanhar o que a empresa tem feito para diminuição do risco de queda com diferença de nivel.
    Idealização da Matriz LETA: Marcos Amazonas
    Crédito para as ilustrações: R.M.Gussella Próxima Books
  • Os melhores setores de escalada do Brasil

    OS MELHORES LOCAIS PARA PRÁTICA DE ESCALADA NO BRASIL

    Conheça os points favoritos que o nosso atleta Gustavo Fontes escolheu:

    "Como escalador eu sempre busquei explorar novas possibilidades"

    Através do esporte eu tive a oportunidade de viajar, conhecer inúmeras áreas de escalada e aprender que cada tipo de rocha oferece sua particularidade técnica que devemos aprender com ela.

    PHOTO-2018-09-13-10-57-38_1

    O Brasil é um país perfeito para quem busca diversidade de rochas, natureza exuberante e novas oportunidades para explorar novas escaladas. Ao longo dos anos, nossa comunidade conseguiu consolidar inúmeras áreas, aumentar significativamente o número de vias, explorar novas montanhas e trabalhar em inúmeras áreas de boulders.

    PHOTO-2018-09-13-10-57-32_1Não é novidade que Minas Gerais vem se tornando a meca da escalada brasileira devido sua diversidade e concentração de rochas, assim como fácil acesso e qualidade das escaladas. Começando pela Serra do Cipó, um dos locais mais famosos da América do Sul para escalada esportiva e que oferece vias boulderísticas mas também de resistência no melhor calcário do país. A qualidade das agarras e a tranquilidade do local, torna tudo mais especial, além de contar hoje com mais de 500 vias e mais de 50 projetos esperando primeiras ascensões. Em qualquer viagem é indispensável conhecer o Parque Nacional da Serra do Cipó com as melhores cachoeiras e planejar seu roteiro de escalada até Milho Verde passando por Conceição do Mato Dentro e a Cachoeira do Tabuleiro.

    PHOTO-2018-09-13-10-57-32
    Saindo da Serra do Cipó sentido Conceição você vai percorrer 60 km por uma estrada bem sinuosa, porém com as melhores paisagens da região, então diminua a velocidade e aproveite o visual. A próxima área de escalada, oferece grandes blocos, estilo bem definido de regletes no negativo e abaulados nas viradas e uma peculiaridade sem igual por poder parar o carro literalmente ao lado dos boulders. Conceição do Mato Dentro possui com certeza o acesso mais fácil para escalada de blocos. Entre os picos de boulder mais antigos de Minas Gerais, esse lugar oferece uma escalada em quartzito sólido, bases perfeitas e setores que contam hoje com mais de 1000 linhas abertas, das mais fáceis até os projetos mais difíceis.

    PHOTO-2018-09-13-10-57-36_1
    Aproveitando a escalada da região e a visita aos famosos blocos de Conceição é indispensável dirigir por mais 20 km de estrada de chão para conhecer e escalar a maior cachoeira de Minas Gerais. A Cachoeira do Tabuleiro conta com quase 300 m de parede e já possui inúmeras vias tradicionais, projetos para serem livrados, além de oferecer as “multi-pitches” mais difíceis do país. O lugar por si só é um palco de muitas aventuras, um paraíso para escaladores, Base Jumpers e Highliners, além de ser um exemplo no Brasil no que cerne a prática de esportes de aventura em unidades de conservação e parques nacionais. Certifique-se de assinar as devidas autorizações para prática de esportes e aproveite esse paraíso!

    PHOTO-2018-09-13-10-57-39
    Seguindo viajem por pouco mais de 80 km você vai chegar em Milho Verde, também conhecido como os alpes mineiros. Milholands oferece uma combinação perfeita entre os blocos e as mais variadas cachoeiras, tudo com aquela tranquilidade do interior de Minas Gerais. Além de oferecer um estilo de escalada prazeroso de negativos imponentes e agarras anatômicas, essa nova área tem se tornando a nova meca do boulder no Brasil, principalmente por conta do potencial a ser explorado. O acesso fácil para todos os setores, trilhas planas de areia branca e os ainda 40 km de rochas para serem explorados até Diamantina, tornam desse lugar um dos mais promissores para evolução da escalada de boulder no nosso país.

     

                        "Através do esporte eu tive a oportunidade de viajar"

     

    PHOTO-2018-09-13-10-57-40Falar da evolução da escalada em rocha, principalmente em Minas Gerais, é notável e essencial mencionar a importância do complexo de montanhas da Pedra Riscada, situada no município de São José do Divino - MG. Com as paredes mais altas do país, e vias de de todos os níveis, esse paraíso está entre os principais locais para quem busca se desafiar nesse tipo de escalada. Pelo fato de ser uma escalada em granito, o estilo é totalmente diferente do Tabuleiro, com vias mais técnicas e de muita pressão nos pés. O potencial ainda é muito grande perante o número de escaladores que frequentam essa região, porém novos esportes vem sendo agregados à evolução da Pedra Riscada considerada hoje uma das melhores montanhas para se praticar o Climbase, onde escalamos e descemos de paraquedas.

    PHOTO-2018-09-13-10-57-37_2Por aqui vou finalizando as melhores indicações de escalada em rocha em Minas Gerais, para falar um pouco daquelas escaladas próximo ao mar. Hoje no Brasil temos duas cidades que realmente devem estar na lista de qualquer escalador que busca curtir uma praia, mas sem deixar de lado a escalada de alta qualidade. A primeira delas é o Rio de Janeiro, o berço da escalada no Brasil conta com todos os estilos de escalada, e quem realmente quer aproveitar a especificidade desse granito, não pode deixar de escalar boulder na Urca, parede no Pão de Açúcar e esportiva na Barrinha e Campo Escola. Com estilos variados e toda beleza do cartão postal do nosso país, escalar na cidade maravilhosa realmente é um privilégio. E para quem quer continuar no litoral, uma visita à Ubatuba - SP é indispensável. Uma das áreas mais famosas do Brasil para escalada de boulder, o Pontão da Fortaleza conta com poucas linhas, mas que estão entre as mais clássicas do Brasil. A atmosfera do lugar que associa praia e mata atlântica torna tudo mais especial.
    PHOTO-2018-09-13-10-57-36

    No sul da país um dos locais mais diferenciados fica em Corupá - SC. Com certeza a melhor escalada de conglomerado do Brasil, onde você pode escalar ao som de cachoeira e ainda escolher entre vias longas ou boulderísticas.

    Voltando para os boulders, por ser a modalidade que mais cresce no Brasil devido sua facilidade de iniciação não podemos deixar de falar Cocalzinho e Igatu que são os locais mais consolidados e possivelmente com mais linhas abertas no país. O grande desenvolvimento de Cocalzinho do Goiás se destaca pela proximidade de Brasília e Goiânia onde o número de praticantes é enorme e não para de crescer junto com novas academias. Se você busca motivação e parceria para escalar, em Cocal você vai encontrar. E finalizando a última indicação, Igatu situada na Chapada Diamantina, conta com um potencial ainda infinito para exploração de novos setores. Durante sete anos seguidos tive a oportunidade de explorar esse lugar e não consegui escalar nem 10% do que gostaria. Para quem busca explorar novas escaladas esse está entre os melhores locais do Brasil.

    Agradeço a Conquista Montanhismo pela oportunidade em falar um pouco sobre a escalada no nosso país, lembrando que para escolher os melhores picos do Brasil, levei em consideração os melhores acessos, potencial de escalada, tipo de rocha, qualidade das agarras e a peculiaridade da natureza em cada lugar.

    Para maiores informações fico à disposição para esclarecer qualquer dúvida! Se você pretende conhecer algumas dessas áreas não hesite em perguntar pois será um prazer poder ajudar! Obrigado e boas escaladas!

    Autor: Gustavo Fontes, 33 anos
    Experiência Prática: 17 anos
    Profissão: Educador Físico, Climbing Coach e atleta de Escalada, Highline e Base Jump

  • O que é uma jaqueta triclimate?

    O que é uma jaqueta triclimate?
    - Pra que serve?

    Pra lhe proteger do frio, e também para diminuir o peso e volume das roupas, pois você usará basicamente somente a Jaqueta Triclimate (3 em 1) e mais uma camiseta ou blusa segunda pele, para pegar temperaturas negativas.

    - Em que momento uso?

    Na chuva, frio, neve, em geral em ambientes com temperaturas abaixo de 15°C

    - É pra qual temperatura?

    Nós indicamos que ela seja usada até -10°C, desde que combinado junto à uma Segunda Pele Térmica para ajudar a manter a temperatura do corpor e mantê-lo aquecido.

    - Qual é essa jaqueta, posso comprar diretamente pelo site?

    Sim, você pode comprar diretamente pelo nosso site. O modelo que indicamos é a Jaqueta Chamonix Triclimate (3 em 1) Conquista.

    Masculino

    Jaqueta Chamonix Triclimate 3 em 1 Masculino Conquista

    Feminino

    Jaqueta Chamonix Triclimate 3 em 1 Feminino Conquista

    #Minuto Conquista

    Da play e conheça mais sobre a Jaqueta Chamonix (3 em 1) Conquista:

    Autor:

    Ian Padilha (atleta e consultor)

  • O que é uma Jaqueta Impermeável?

    O que é uma jaqueta impermeável?

     Muitos chamam de Anoraque ou Anorak, que é um termo francês para falar que a Jaqueta é 100% Impermeável (resistente à chuva). No caso das nossas jaquetas, além de elas serem 100% Impermeáveis, elas também são 100% respiráveis e Corta Vento.

    Pra que serve?

    Ela é considerada item obrigatório de sobrevivência para qualquer montanhista, aventureiro, trilheiro, escalador, viagem de inverno, pois a sua função principal é lhe proteger da Neve, Chuva, Vento, Frio, Umidade. Por exemplo, se você estiver na Montanha, onde o clima é instável, pode virar de uma hora para a outra e começar a chover, é necessário que você tenha a sua Jaqueta Impermeável para lhe manter seco, aquecido e protegido contra o frio, do contrário você estaria sujeito a uma hipotermia, e dependendo do local onde você esteja isso se torna um grande imprevisto.

    Em que momento eu uso?

    Viagens de Inverno, Montanha, Trilha, Escaladas, em geral é indicada para usos que você esteja exposto a Neve, Vento, Frio, Chuva, Umidade.

    Em que temperatura eu uso?

    Geralmente abaixo de 15°C com chuva nós já indicamos, pois se tiver vento ou a umidade do ar começar a aumentar, tudo isso fará com que a sensação térmica baixe muito, e você precisa estar protegido.

    Qual é essa jaqueta, posso comprar diretamente pelo site?

    Sim, você pode comprar diretamente pelo nosso site. O modelo que indicamos é a Jaqueta Impermeável Freedom Conquista.

    Masculina:

    Feminina:

    Dê play no vídeo e tire todas as suas dúvidas sobre a nossa Jaqueta Imperméavel Freedom Conquista: 

4 Item(s)